Direções

 

David Ryan Robinson, Britain - 10 Aug 2012Carta escrita no dia 12 de julho de 2015.

Helena,

Faz alguns meses que eu olho para baixo e vejo uma ladeira íngreme, daquelas que dá medo de descer, tropeçar e cair, perder o controle, parar lá no fim, sem sentido algum. Talvez pior do que me sentir assim, tenha sido finalmente perceber que essa era a realidade faz alguns anos. Por meses e meses pavimentei uma estrada que não me levaria a lugar nenhum.

E quando meu primeiro instinto é me culpar, uma culpa que eu sei que vai ser amontoada nos meus ombros não importa o que, mais eu me questiono o quanto da minha realidade eu construí sozinha e qual a parcela que ficou paralela aos meus desejos, mas nunca em sintonia. Eu queria tanto que algo desse certo que não olhei as limitações, as divergências tão gritantes e evidentes.

Uma amiga me disse ontem que eu preciso aprender a desistir. E por mais que eu escreva sobre isso e queira conseguir, eu não sei desistir das pessoas, das situações. O meu medo de abandonar ou ser abandonada é tão maior que meu instinto. E eu me vejo ali cometendo erros que já foram cometidos um milhão de vezes.

Uma direção pode ser definida como duas retas paralelas. Geralmente o conceito de direção é confundido com sentido: uma das das retas pode estar indo para esquerda e a outra para a direita, e mesmo assim se manter paralela. Isso é matemática, mas podia ser só sobre a vida.

Às vezes é preciso desistir da direção para aprender a ter sentido, Helena. E fazer a coisa certa pode ser o ato mais doloroso da sua vida. Pode te partir ao meio, mas nem por isso pode ser ignorado. Ninguém encontra paz se escondendo da verdade, e essa é uma grande amiga da dor. Não conheço ninguém que vai escolher sentir dor, mas sempre escolha a verdade, por mais que ambas vivam numa perfeita simetria.

Eu aprendi a segurar o choro, a não demonstrar amor ou carinho, a conter minha fúria e principalmente a ser alguém que eu jamais serei. Talvez eu tenha me tornado tudo aquilo que sempre ouvi que era. Se por um lado eu estou começando a aprender a não colocar fôlego em causa perdida, eu também aprendi a silenciar minhas causas. Eu sentei em diversas mesas e ouvi sobre tudo que discordo, tentando encontrar argumentos para melhorar a situação. Eu percebi o que estava acontecendo e escolhi centenas de vezes me cegar. A culpa não é de ninguém, tudo isso foi o que eu também permiti.

Algumas violências ninguém comete contra nós, algumas é o dano causado por fazer a exata mesma coisa esperando resultados diferentes. E eu te peço perdão, Helena.

Você não vai lembrar de nada disso, mas eu realmente quero que você me perdoe pelas vezes que perdi a paciência sem motivo algum, que não fiz o meu melhor porque estava muito mal tentando entender qual era o erro.

O erro sempre vai ser não aceitar que algumas coisas não devem permanecer na mesma direção por serem bonitas, mas se separar para continuar mantendo a sinceridade e beleza de possuir um sentido.

Por sorte nosso sentido está agora do meu lado, dormindo, suspirando e sonhando com um futuro que eu sei que teremos.

Vai dar tudo certo.

Com amor,
Mamãe.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s